333 bet casino -Com 35 votos favoráveis e 13 contrários, a Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul (ALRS) aprovo

Assembleia gaúcha ap333 bet casino -rova projeto inconstitucional que libera

Com 35 votos favoráveis 333 bet casino -e 13 contrários, a Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul (ALRS) aprovou projeto de lei, nesta terça-feira (12), que altera o Código Estadual de Meio Ambiente e flexibiliza regras em Áreas de Preservação Permanente (APP).

Continua após publicidade

De autoria do deputado Delegado Zucco (Republicanos), a nova legislação permite a construção de barragens e açudes em APPs no estado, a fim de garantir alternativas de armazenamento de água para agricultura e pecuária. O texto, contudo, diverge da legislação nacional.

O autor do projeto defendeu a aprovação da permissão para intervenções em APP, que deve ocorrer quando não houver alternativas para reserva de água

"A partir da lei, será possível aos pequenos, médios e grandes agricultores do Rio Grande do Sul, com uma alteração no Código Estadual de Meio Ambiente, tornar de utilidade pública áreas destinadas para a construção de barragens e represas. Esse é um momento histórico para a agricultura gaúcha", declarou Zucco.

A matéria chegou a ir a plenário anteriormente, na sessão de 19 de dezembro de 2023, após ter tramitado com urgência, mas foi retirada da ordem do dia da sessão por conta de divergência quanto ao tema.

Nos últimos meses, o projeto recebeu apoio da Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Sul, Federação da Agricultura do Rio Grande do Sul e de outras entidades representativas do empresariado.

Oposição diverge

Pepe Vargas (PT) ponderou que há consenso no RS da necessidade de estabelecer uma política para reserva de recursos hídricos para consumo humano e de animais, uso industrial e na agricultura, entre outros. "Entretanto, o projeto de lei que estamos debatendo agora não introduz uma política dessa natureza a rigor", disse.

"Ele procura estabelecer mudanças na legislação ambiental para permitir a reserva de água em áreas de preservação permanente", avaliou, defendendo que os deputados estaduais não poderiam fazer tal modificação sem que haja primeiro uma alteração na legislação federal.

Miguel Rossetto (PT) criticou a votação da matéria e falou das políticas de irrigação e reserva de água desenvolvidas nos governos do PT no estado. Lembrou que, no ano passado, houve um acordo para postergar a apreciação do texto em plenário e possibilitar o amplo debate sobre o tema. "Votar hoje este projeto significa encerrarmos este debate",  avaliou. O parlamentar acrescentou ainda que o projeto é claramente ilegal e manifestou seu voto contrário.

Agapan destaca ilegalidade

Pouco antes da tentativa de votação do projeto em dezembro, a Associação Gaúcha de Proteção ao Ambiente Natural (Agapan) emitiu nota criticando o projeto.

"Em tempos de tragédias ambientais, votar um projeto que altera o regramento ambiental sem debate por si só já é algo grave. Mas, devemos colocar mais questionamentos: Quem mesmo esse projeto beneficia? Quais os possíveis impactos socioambientais? Quais os riscos da aprovação do projeto?", questiona a organização.

A resposta vem na sequência na nota. "Para ficar bem esclarecido: autorização de mais desmatamento e mais barramentos particulares em cursos d’água com a finalidade de produção agrícola", diz a entidade, pontuando que a iniciativa "busca atender a um setor mas contrariando os interesses gerais da sociedade". Diz ainda que o PL "atende demanda dos ruralistas que, no Congresso Nacional e na Assembleia Legislativa, trabalham para descaracterizar a legislação ambiental".

A Agapan destaca também o conflito com a norma federal: "Com o estabelecido na Lei nº 11.428/2006, que dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Mata Atlântica, que no Art. 3º estabelece os casos de utilidade pública e interesse social, remetendo ao Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama) definir outros casos. Portanto, a lei pretensa estadual é ilegal", explica na nota.

Em 2018, o então presidente Michel Temer (MDB) vetou um trecho da lei que colocava as obras de irrigação como de utilidade pública. No mesmo sentido, em 2022, uma nota do Ministério Público do Rio Grande do Sul apontou que a legislação federal não inclui as obras e projetos de irrigação no rol das atividades consideradas como de utilidade pública e interesse social.

A direita se movimenta em Brasília para liberar a construção de reservatórios de água para projetos de irrigação em APPs à beira de rios. No final de dezembro, o Senado Federal aprovou projeto que versa sobre o tema, de autoria de Luis Carlos Heinze (PP-RS). O texto seguiu para análise da Câmara dos Deputados e ainda não foi votado.


Fonte: BdF Rio Grande do Sul

Edição: Marcelo Ferreira


Relacionadas

  • Audiência pública na Bahia discute PL que quer reduzir área de proteção do Rio São Francisco

  • Os desafios do Código Florestal Brasileiro dez anos após aprovação

  • Código Florestal pode tirar proteção de 15 milhões de hectares da Floresta Amazônica

Outras notícias

  • Ministério Público de Minas pede suspensão de mineração próxima à Serra do Curral

  • Líder Yanomami vai participar de Fórum Internacional de Meio Ambiente em Porto Alegre

  • Abandonada pela prefeitura, ilha em Petrolina está sendo cuidada por voluntários

BdF

  • Quem Somos

  • Parceiros

  • Publicidade

  • Contato

  • Newsletters

  • Política de Privacidade

Redes sociais:


Todos os conteúdos de produção exclusiva e de autoria editorial do Brasil de Fato podem ser reproduzidos, desde que não sejam alterados e que se deem os devidos créditos.

Visitantes, por favor deixem um comentário::

© 2024.sitemap