lobo888 -Atendendo às expectativas geradas com a tão esperada visita de Estado do presidente Lula à China na

Destaque climátilobo888 -co marca visita de Lula a Pequim

Atendendo às expectativas geradas com a tão esperada visita de Estado do presidente Lula à China na última semana,lobo888 - uma das pautas mais contempladas nos acordos e declarações conjuntas resultantes do encontro foi a do clima e meio ambiente.

De um lado, o Brasil transita para o retorno de sua atuação externa após um período inédito na história da República no qual o país foi informalmente relegado à condição de pária internacional, em partes devido à retração de seu engajamento em debates multilaterais fundamentais, como o das mudanças climáticas. De outro, a China tem assumido cada vez mais uma postura assertiva na agenda internacional sobre o clima, sobretudo após o interlúdio no qual o ex-presidente Donald Trump retirou os Estados Unidos do Acordo de Paris.

A reunião entre Lula e Xi Jinping resultou em duas declarações conjuntas: uma de caráter amplo, a ‘Declaração Conjunta entre a República Federativa do Brasil e a República Popular da China sobre o Aprofundamento da Parceria Estratégica Global’ e uma específica sobre o clima, a ‘Declaração Conjunta Brasil-China sobre o combate à mudança do clima’.

:: Brasil e China: acordos reforçam agro, mas abrem novas parcerias em tecnologia e combate à fome ::


Lula fechou 15 acordos comerciais com a China / Ricardo Stuckert/Presidência da República

O documento de 14 pontos divulgado logo após a visita pode ser lido como uma síntese e reafirmação dos principais pontos de convergência no histórico de atuação multilateral dos países na institucionalização de normas e princípios orientadores das ações de mitigação das mudanças climáticas.

Brasil e China atuaram como proponentes da formalização do princípio de ‘responsabilidades comuns mas diferenciadas’ (CBDR) na Rio 92, que ao reconhecer que os países têm responsabilidades históricas diferentes pelas emissões e degradação ambiental, assim como capacidades distintas de endereçá-lo no presente, estabelece que países desenvolvidos (os que mais contribuíram para o problema) devem arcar com a maior parte dos custos financeiros das ações de adaptação e mitigação para avançar a justiça climática.

:: Lula sobre acordos na China: ‘estou conversando sobre os interesses soberanos do meu país’ ::

Assim, em uma demonstração de compromisso e articulação conjunta entre países que se autoidentificam enquanto pertencentes ao Sul Global e compartilham seus interesses, a declaração conjunta reafirma o engajamento com as metas estabelecidas no Acordo de Paris em limitar a elevação da temperatura média global em até 1.5°C e atingir a neutralidade climática até 2050 em conformidade com o CBDR ao mesmo tempo em que critica o não cumprimento da promessa de financiamento climático dos países desenvolvidos firmada em 2009, em ocasião da Conferência de Copenhague (COP-15).

Para além de revisitar a atuação conjunta na proposição de pautas pró-clima e pró-desenvolvimento, a declaração divulgou os avanços previstos na cooperação entre Brasil e China em matéria de clima e meio ambiente. Destaca-se a criação da subcomissão sobre o clima e meio ambiente na Comissão Sino-Brasileira de Alto Nível de Concertação e Cooperação (Cosban) e o desenvolvimento conjunto do CBERS-6, satélite de monitoramento que pode contribuir para reduzir o desmatamento e a degradação do meio ambiente, também contemplado em um dos 15 acordos comerciais firmados durante o encontro.

:: Lula reaproxima Brasil da China e amplia cooperação ambiental ::

O satélite, cujo custo estimado é de US$ 100 bilhões, conta com capital e tecnologia chineses que são de extrema importância para o Brasil e é demonstrativo da transversalidade da cooperação em temas climáticos com outras áreas. Assim como a cooperação no desenvolvimento do CBERS-6 favorece o diálogo entre as indústrias especiais dos países, o engajamento em parcerias pró-clima pode gerar uma série de oportunidades em tecnologia, energia, infraestrutura e outras.

A China é a atual segunda maior economia mundial e, ao mesmo tempo que o país é o maior emissor mundial de gases de efeito estufa em termos absolutos, é também o que mais investe em energias renováveis e transição energética do mundo, de acordo com dados do World Economic Forum. A complementaridade entre Brasil e China pode corroborar para a formação de parcerias estratégicas, como a negociação de créditos de carbono e a ampliação dos investimentos em energias renováveis, nos quais a China já conta com uma presença significativa no mercado brasileiro.

:: Na China, Lula diz que NBD pode se tornar o &39;banco do Sul Global&39; e critica hegemonia do dólar

É possível ponderar que a mais recente visita de Lula a Beijing materializou o estreitamento do diálogo bilateral em uma nova agenda. Contemplando não somente pautas tradicionais de intensificação do comércio e investimentos, mas inserindo no cerne da discussão sobre desenvolvimento a sustentabilidade e as possibilidades transversais de cooperação pró-clima.

Ticiana Amaral é assistente de pesquisa no Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) e doutoranda em Ciência Política no Instituto de Estudos Sociais e Políticos da Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

Este é um artigo de opinião. A visão da autora não necessariamente expressa a linha editorial do Brasil de Fato.

Edição: Vivian Virissimo


Relacionados

  • Lula sobre acordos na China: &39;estou conversando sobre os interesses soberanos do meu país&39;

  • Brasil e China: acordos reforçam agro, mas abrem novas parcerias em tecnologia e combate à fome

BdF

  • Quem Somos

  • Parceiros

  • Publicidade

  • Contato

  • Newsletters

  • Política de Privacidade

Redes sociais:


Todos os conteúdos de produção exclusiva e de autoria editorial do Brasil de Fato podem ser reproduzidos, desde que não sejam alterados e que se deem os devidos créditos.

Visitantes, por favor deixem um comentário::

© 2024.sitemap